Você é a minha prioridade

voce é minha prioridade

Não, eu não sou tão legal quanto você pensa e nem trato as pessoas tão bem assim. É só com você. Pode ver, não curto todas as postagens das outras pessoas, e para ser sincero, eu não me interesso tanto assim com os problemas alheios, é exclusividade sua.

Também não sou aquele motivador ambulante e nem cuido das pessoas com tanto esmero, na verdade, eu mal tenho tempo para cuidar de mim. Falando em tempo, eu não sou tão desocupado assim, nem estou sempre com vontade de sair, como você pensa. Confesso que não sou tão afim de teatros e que pizzas doces não são as minhas favoritas.

Não é que suas piadas sejam boas, mas eu vejo graça, apenas por estar ali. Não pense que você tem o melhor perfume do mundo, mas ele me lembra você e isso faz toda a diferença. A verdade é que eu supervalorizo os seus feitos, eu sei, é coisa minha. É uma questão de ser para o outro. Talvez você não seja tudo isso para as outras pessoas, mas para mim é.

Acontece que você é a minha prioridade, sabe? Aquela coisa de conquista, você chamou a minha atenção, o santo bateu e quando fui ver, já estava pensando em você mais do que deveria. Ver que alguém mexe comigo é bacana, inclusive, é raro. Talvez por isso, eu quero é mais.

Não me entenda mal, não prometo grandes amores e nem finais felizes, principalmente felizes. É provável que a gente se machuque, mas é algo que podemos esperar um do outro. Quero que saiba que os riscos são iguais para os dois lados, mas o que seria da vida sem uma pitada de adrenalina e incerteza?

Vamos aproveitar o momento, o hoje, o agora. Do que era ontem não ficou nada e o amanhã que está por vir, sinceramente, talvez nem venha. É que perdemos muito tempo planejando o futuro e, mais tempo ainda, lembrando de experiências passadas. Assim, viajamos nesse trem do tempo vendo a vida passar. Se o teu beijo combina com o meu e o abraço encaixa certinho, porque não?

Por isso, abuse da minha boa vontade e da minha paciência. Abuse do meu querer e da minha atenção, mas só se for recíproco. Assim como você é minha prioridade hoje, amanhã pode deixar de ser. Não é uma ameaça, apenas estou te alertando que sou assim, muitas vezes passageiro, geralmente desinteressado e com uma necessidade de fuga enorme, não tenho culpa, a vida me fez assim. Saiba que só o recíproco me faz ficar.

Vamos viver os instantes, sorrir a cada momento, tirar o melhor de cada gesto, de cada frase e de cada intenção. Vamos aprender que felicidade mesmo está no agora, o que vem depois disso é história para contar de um passado que não volta. Por isso não te prometo quase nada, além de que, hoje, você é a minha prioridade.

Aproveite-se disso, aproveite o melhor de mim, eu não sou assim com todo mundo, aliás, se você deixar de ser minha prioridade um dia, você vai perceber, eu sou igual às outras pessoas, eu não sou tão bom assim.

Quero descobrir você

Nao quero te conhecer

Quero te conhecer, mas não como todo mundo te conhece, isso é pouco para mim. Quero te conhecer de verdade. Sabemos que conhecer alguém hoje em dia é muito raso, como quem entra no mar, mas não vai até o fundo, assim somos com as pessoas, criamos relacionamentos superficiais com elas. Eu quero profundezas.

Achamos que conhecemos alguém só por um papo no bar, um disse que disse de alguém, ou um acompanhamento detalhado nas redes sociais. Pronto, conheço sim, meu amigão, minha parceira. Ou às vezes, dá o efeito contrário: esse cara não presta, olha as amigas. Essa mulher é muito chata, olha as coisas que ela segue… E por aí vai.

Só que o mundo particular de cada pessoa vai além. A verdade é que ninguém sabe quem realmente somos, até porque é muito raro ter vontade de se abrir para as pessoas. Além disso, não somos uma ciência exata. Eu mesmo me conheço e reconheço a cada dia. Me auto-conhecer já é complicado.

Com você, não quero seguir o roteiro. Não quero perguntar quem é você, de onde veio e qual é o seu gosto musical favorito. Assim é fácil, chato e vazio. Assim é mais do mesmo. Eu quero te conhecer, na verdade, eu quero te descobrir.

Não vou perguntar se você gosta de rosas ou chocolates, vai que goste dos dois, dependendo do dia? Nem quero perguntar sobre a sua comida favorita, mas quero te levar para jantar. Da mesma forma, quero descobrir qual é o seu estilo de filme favorito indo ao cinema. Quero saber se no verão você prefere ir à praia ou uma casa com piscina já está ótimo, e se nos domingos você gosta de acordar cedo ou dormir até a hora do almoço.

Não quero ficar pouco tempo, eu vim para ficar. Quero conhecer a sua família nos aniversários, e ir decorando aos poucos os nomes de cada um deles. Aprender um pouco sobre os seus dilemas, estando por perto naqueles dias em que enlouquece e acha que o mundo vai desabar em cima de você. Descobrir do que tem medo e do que finge não ter.

Desvendar às suas emoções, se você chora fácil quando alguém lhe faz uma surpresa e se fica brava com ciúmes bobos. Descobrir se você é sensível com cócegas e se um beijo no pescoço te causa arrepio. Quero decorar o som da sua voz nos momentos mais íntimos e o desenho da sua risada quando ela for sincera de felicidade. Quero criar sensações em você.

Compreender quem é hoje, mas também quem será você amanhã. Porque sei que as pessoas mudam, e que nessa vida, tudo é variável. Não pretendo ser preguiçoso e te definir pelo dia em que nasceu, nem pelo bar em que nos conhecemos, nem pelos amigos que você tem. Até porque, assim como eu, você provavelmente também ame seus amigos, mas sabe que eles são eles, e você é você.

Não quero brincar de te qualificar pelas páginas que você segue nas redes sociais, vai que às vezes você é crítica, mas em outras vezes só quer ver a vida com mais leveza e dar boas risadas? Também não vou te definir pelo seu passado, nem pelas pessoas que namorou. Suas histórias são suas, e elas só cabem a você. Afinal, eu também tenho as minhas – mas se quiser te conto todas elas em uma madrugada de insônia.

Quero ir te desvendando no passar dos dias, no banco da praça, no show da banda que você gosta, num café da tarde. Vamos nos conhecer na presença dos corpos, nas madrugadas de inverno e no dia seguinte, no café da manhã, descobrir o que você gosta de comer ao acordar. Quero perceber as suas afinidades pelos quadros do seu quarto, e a sua cor favorita pela cor do seu lençol.

Ficar te admirando, até memorizar a sua cara de tristeza quando precisar de um abraço e descobrir como seus olhos brilham quando você se apaixona por alguém. Perceber se você prefere sentir a música sozinha ou se apega ao romantismo de dançar a dois, e surpreender-me com o gosto do seu corpo e com a real beleza da sua alma.

Quero ler o seu livro inteiro e depois me tornar parte da sua autobiografia. Não quero comprar o quebra-cabeça montado, quero fazer diferente, eu quero descobrir você.

Porque perdemos grandes amores?

porque perdemos grandes amores

Porque acabou? – alguém perguntou.

Sem titubear muito, falei: vocês não souberam amar. São histórias cíclicas, a maioria de nós já passamos por isso. Falhar no amor não é feio. A gente erra em várias coisas da vida, porque não falharíamos nisso também? Somos um jardim repleto de imperfeições e defeitos. E assim como toda falha, o que fica – com um pequeno gosto de arrependimento – é o aprendizado.

Digo que relacionamentos acabam, mas amores não. Sim, sou daqueles que acreditam que amores ficam. Se o sentimento for real, ele fica, ali, em algum lugar, mesmo que adormecido. O que muitas vezes demoramos em perceber é que nem sempre é amor. Se não do lado de cá, do outro. É que paixão e apego combinam bem, nos iludem, mas estes uma hora terminam. E para esses, ali termina o amor também.

Agora, para quem ama mesmo, a história é outra. É provável que você já tenha visto casais que se amam e não ficam juntos, certo? Para mim, isso é amor. O que terminou neles não foi o sentimento, mas o relacionamento. É o tipo de casal que não conseguiu ficar junto porque não aprendeu a amar. É triste, mas se perderam. Acontece que algumas vezes levamos tempo demais para aprender algumas coisas sobre o amor e em outras vezes, nunca aprendemos, e isso desgasta. Não saber amar o outro, inevitavelmente, cansa.

É que em um primeiro momento, o amor é instintivo, a gente sente e já quer sair amando, e de inicio tudo bem, só que nem sempre estamos preparados para grandes amores, daqueles que vem para ficar por muito tempo. Assim, a gente vai levando, do jeito que pode, da maneira que acha, sem saber realmente amar.

Além de não saber, amar não é tarefa fácil. É preciso dedicação, negociação, tolerância, empatia e várias outras qualidades que nós, meros mortais, nem sempre temos. E aí está outro erro que cometemos: desqualificamos o amor do outro por ele não saber amar. Sem perceber, que mesmo errado, ainda assim era amor.

Por não saber amar, o amor machuca. É por este motivo que o amor decepciona, ilude, é indeciso, orgulhoso e muitas vezes vai embora. Sim, o amor às vezes volta atrás, mas geralmente ele segue em frente, toma outro rumo. E assim, perdemos amores que deveriam ter ficado.

Demorei muito para perceber que não perdemos amores por causa de distâncias, por causa de diferenças ou por causa de sonhos antagônicos. Não terminamos relacionamentos porque um é de gêmeos e o outro de sagitário, porque um quer morar no centro da cidade e o outro na praia, ou porque um é vulcão em erupção e o outro um poço de calmaria. Características individuais não definem o amor, apenas vão moldando o tipo de relação que haverá entre os dois. Entende? São complementos. Perdemos amores porque não sabemos amar e ponto.

É que amor mesmo tem a ver com doar-se, com sentir-se alegre na felicidade do outro, mas ao mesmo tempo, ter alguém que respeite e valorize as nossas felicidades particulares. Se você não é feliz na felicidade do outro, então você não sabe amar. Aprender a amar é largar o medo, a teimosia, o orgulho e o egoísmo. Se você não sabe pedir desculpa no erro, é orgulhoso. Se você não abre mão de algum plano particular, mesmo sabendo que a pessoa também deverá abrir de algum dela para que vocês fiquem juntos, você é egoísta. Então, você não sabe amar.

Com o tempo, a gente aprende que amar é desprender-se e também deixar voar, mas manter esse amor, inevitavelmente, é saber quando é a hora certa de voar juntos. A verdade é que a gente ainda tem muito que aprender sobre amar outra pessoa. E eu fico aqui me perguntando, quantos amores a gente ainda vai perder na vida até aprender a amar? É que algumas pessoas nem sempre aprendem, e outras, nem têm interesse. Contudo, não aprender a amar é jogar o jogo da vida assumindo o risco de perder quem realmente te ama.

Felizmente, estamos vivos, então não é tarde para aprender a amar. E no fundo, a gente torce por um dia encontrar um amor para vida toda. Daqueles que irão ficar, que já sabem ou querem aprender a amar. Porque todo mundo merece um amor desses, daqueles que nunca acabam, que ultrapassam o tempo e o espaço, e ainda na morte, ecoam na eternidade. Você sabe, existem amores assim. Não é sorte, são só pessoas que aprenderam que antes do amor, foi preciso – com muito esforço e vontade – aprender a amar.

Feliz dia dos namorados adiantado!

dia dos namorados adiantado

Imaginei com quantas pessoas diferentes eu poderia ter passado o dia dos namorados, pessoas que entraram na minha vida e no fim das contas, não levaram nada ou muito pouco. Entre tantos encaixes e desencaixes, idas e vindas, eu poderia ter escolhido alguém simplesmente para passar o dia, poderia, mas não fiz. É que escolhi esperar por você.

É engraçado dizer isso, porque eu ainda nem sei o seu nome. Te imagino de diversas maneiras: séria e lógica, ciumenta e pirada, engraçada e parceira, artística e sensual, esportista e aventureira ou tudo isso junto. Vai saber! De qualquer jeito, inevitavelmente vou gostar de você.

Me pergunto se teremos os mesmos gostos gastronômicos e musicais, se você será ruiva, loira ou morena, ou se prefere cantar ou dançar. É provável que se você não tiver interesse em dançar, teremos problemas. Confesso que, provavelmente, serei aquele cara com 50 anos que dança bastante nas festas de formatura que você já viu e riu. Sim, serei esse cara incompreendido e feliz. Também teremos problemas se você for fanática por futebol ou por política. Na verdade, eu fico desconfortável com qualquer tipo de fanatismo, da vida eu procuro os equilíbrios. Por favor, se você for assim, seja uma pessoa fácil!

É provável que você curta demais meus amigos. Sério! São os melhores que eu poderia encontrar, daqueles que nunca te deixam, daqueles que te chamam de irmão e provam com atitudes. Você vai se apaixonar por eles tanto quanto eu. Aliás, não fossem eles, talvez a gente não ficasse juntos. É que eles são metidos a conselheiros amorosos e falaram que aquela moça da festa de um mês atrás que eu tanto gostei, não era você. Por algum motivo estranho, eles te conhecem melhor do que eu, por enquanto.

Te conto que ultimamente tenho trabalhado bastante e felizmente você ainda não chegou. Assim eu me sinto focado no trabalho e nos estudos, mas ando saindo demais nos finais de semana. Prometo que, até você chegar, irei economizar para gente ir ao cinema e a jantar no shopping nos primeiros encontros. Sério, pode me cobrar isso. Adoro um cinema!

É engraçado imaginar características particulares. Quando vê, você gosta de sushi e de filmes dramáticos. Particularmente, eu não gosto, acho que se for assim, conviver ao seu lado vai ser interessante. Terei um mundo inteiro novo por conhecer. Claro que, se você gostar de pizzas e filmes de suspense, nossas escolhas serão muito mais fáceis.

No fim, passei o dia assim, sozinho, sendo esse poço de esperança de novos e bons amores que virão. É que no fundo, a gente sempre sente e quer acreditar que o melhor ainda está por vir. E que as comemorações de hoje que eu vi no Facebook sejam sinceras e que as noites sejam bem aproveitadas. Porque quando chegar a nossa vez, não sobrará espaço para ninguém! Seremos felicidade e amor como nunca antes vistas.

Se der, não demore tanto. É que eu gosto do dia dos namorados e quero comemorar também. Pensando bem, tome o tempo que for necessário, não vou me entregar às vontades temporárias ou às pequenas solidões de inverno. É que desta vez não me adianta qualquer pessoa, tem que ser você. Acho que deve ser esta a sensação de quem escolheu ficar solteiro neste dia. Feliz dia dos namorados adiantado, eu não comemorei, porque estava esperando por você.

Te amei com saudade

saudade

Hoje eu desabei, cai e me machuquei. Quem me dera estivesse falando do físico, mas era puramente emocional. Não sei se foi a bebida, talvez fossem copos demais de saudade. Talvez fosse o frio nostálgico que me trouxe a tona o gosto do seu calor ou era a minha alma pedindo uma trégua para que eu fosse sincero comigo mesmo. E eu me entrego: senti sua falta.

Liguei o rádio e me peguei ouvindo “Detalhes” de Roberto Carlos, daquele jeito nostálgico e retrô que eu fico às vezes nas tardes de domingo.  Fiquei imaginando as palavras que você diria e o seu jeito debochado me incomodando ao ouvir isso, brinquei na minha mente com a sua previsibilidade em fazer as coisas, e isso doeu demais. Perceber que hoje eu te desconheço me machucou.

A saudade invadiu como uma onda que destruiu os muros do castelo de areia que tão cuidadosamente havia construído, não sobrou nada. Ficou apenas um daqueles vazios enormes – tão comuns e particulares – que em algum momento, todos sentem. Afinal, quem nunca sentiu uma saudade indevida? Daquelas que machucam o coração, que nos julgam e nos sentenciam culpados, apenas por senti-la.

Hoje precisei andar um pouco, sem surpresas, quis seguir o roteiro. Fui pelas mesmas ruas de sempre, mas o caminho estava diferente. Hoje as ruas estavam pintadas de lembranças suas, era possível ouvir o som da sua risada em cada esquina, daquele tempo em que caminhávamos juntos por elas. Senti falta da sua mão segurando a minha, daquela época em que certeza era ver as nossas mãos se procurando a todo momento. Caminhar se tornou difícil hoje.

A temperatura marcava cinco graus, e para piorar, não tive um dia legal hoje. É um daqueles dias que, em outros tempos, só o seu abraço resolveria. Daqueles que diziam tudo, que preenchiam e acalmavam, mesmo que fizessem meu coração acelerar. Deu saudade dos efeitos estranhos que você causava em mim. É que ninguém me disse o quão difícil seria conseguir estes abraços que, entre nós, eram tão comuns e fáceis.

Hoje o dia se tornou longo demais. Fiquei surpreso por me lembrar de tantas coisas nossas e perceber que lá no fundo, eu não esqueço, só finjo bem. Finjo não me importar, porque assim parece ser mais fácil, sinto que dói menos. Assim, a saudade dificilmente me encontra, com ela eu brinco de me esconder e geralmente ganho, sempre mudo o endereço. Mas hoje eu perdi.

Hoje me vesti de humildade, bebi um copo de sinceridade, aceitei a derrota e joguei fora o meu maldito orgulho. Deu saudade de tudo! Inclusive de mim mesmo, de como eu me sentia quando estava ao seu lado. Te quis de volta com todas as minhas forças, com todos seus defeitos, que tanto me machucaram.

Hoje eu fiquei esperando alguma mensagem sua o dia todo, como nunca, torci por ela. Esperei – em vão – que você sentisse a minha falta também. É que tenho essa mania idiota de acreditar que você irá sentir as mesmas coisas, nos mesmos tempos. Tenho ilusões de sincronismo.

E eu que odeio dormir sozinho, mais uma vez dormirei acompanhado. A saudade vem deitar ao meu lado, vem por inteira, com toda a sua intensidade. Ela vem dormir agarrada em mim, grudadinha, me sufocando. Como se preenchesse, como se no fim das contas, minha alma não dormisse sozinha há tempos. Assim percebo que às vezes é melhor dormir só, do que mal acompanhado.

Hoje eu desabei, tudo voltou à tona, menos você. Hoje te amei como sempre, e como nunca. É que hoje, te amei com saudade.