Porque perdemos grandes amores?

porque perdemos grandes amores

Porque acabou? – alguém perguntou.

Sem titubear muito, falei: vocês não souberam amar. São histórias cíclicas, a maioria de nós já passamos por isso. Falhar no amor não é feio. A gente erra em várias coisas da vida, porque não falharíamos nisso também? Somos um jardim repleto de imperfeições e defeitos. E assim como toda falha, o que fica – com um pequeno gosto de arrependimento – é o aprendizado.

Digo que relacionamentos acabam, mas amores não. Sim, sou daqueles que acreditam que amores ficam. Se o sentimento for real, ele fica, ali, em algum lugar, mesmo que adormecido. O que muitas vezes demoramos em perceber é que nem sempre é amor. Se não do lado de cá, do outro. É que paixão e apego combinam bem, nos iludem, mas estes uma hora terminam. E para esses, ali termina o amor também.

Agora, para quem ama mesmo, a história é outra. É provável que você já tenha visto casais que se amam e não ficam juntos, certo? Para mim, isso é amor. O que terminou neles não foi o sentimento, mas o relacionamento. É o tipo de casal que não conseguiu ficar junto porque não aprendeu a amar. É triste, mas se perderam. Acontece que algumas vezes levamos tempo demais para aprender algumas coisas sobre o amor e em outras vezes, nunca aprendemos, e isso desgasta. Não saber amar o outro, inevitavelmente, cansa.

É que em um primeiro momento, o amor é instintivo, a gente sente e já quer sair amando, e de inicio tudo bem, só que nem sempre estamos preparados para grandes amores, daqueles que vem para ficar por muito tempo. Assim, a gente vai levando, do jeito que pode, da maneira que acha, sem saber realmente amar.

Além de não saber, amar não é tarefa fácil. É preciso dedicação, negociação, tolerância, empatia e várias outras qualidades que nós, meros mortais, nem sempre temos. E aí está outro erro que cometemos: desqualificamos o amor do outro por ele não saber amar. Sem perceber, que mesmo errado, ainda assim era amor.

Por não saber amar, o amor machuca. É por este motivo que o amor decepciona, ilude, é indeciso, orgulhoso e muitas vezes vai embora. Sim, o amor às vezes volta atrás, mas geralmente ele segue em frente, toma outro rumo. E assim, perdemos amores que deveriam ter ficado.

Demorei muito para perceber que não perdemos amores por causa de distâncias, por causa de diferenças ou por causa de sonhos antagônicos. Não terminamos relacionamentos porque um é de gêmeos e o outro de sagitário, porque um quer morar no centro da cidade e o outro na praia, ou porque um é vulcão em erupção e o outro um poço de calmaria. Características individuais não definem o amor, apenas vão moldando o tipo de relação que haverá entre os dois. Entende? São complementos. Perdemos amores porque não sabemos amar e ponto.

É que amor mesmo tem a ver com doar-se, com sentir-se alegre na felicidade do outro, mas ao mesmo tempo, ter alguém que respeite e valorize as nossas felicidades particulares. Se você não é feliz na felicidade do outro, então você não sabe amar. Aprender a amar é largar o medo, a teimosia, o orgulho e o egoísmo. Se você não sabe pedir desculpa no erro, é orgulhoso. Se você não abre mão de algum plano particular, mesmo sabendo que a pessoa também deverá abrir de algum dela para que vocês fiquem juntos, você é egoísta. Então, você não sabe amar.

Com o tempo, a gente aprende que amar é desprender-se e também deixar voar, mas manter esse amor, inevitavelmente, é saber quando é a hora certa de voar juntos. A verdade é que a gente ainda tem muito que aprender sobre amar outra pessoa. E eu fico aqui me perguntando, quantos amores a gente ainda vai perder na vida até aprender a amar? É que algumas pessoas nem sempre aprendem, e outras, nem têm interesse. Contudo, não aprender a amar é jogar o jogo da vida assumindo o risco de perder quem realmente te ama.

Felizmente, estamos vivos, então não é tarde para aprender a amar. E no fundo, a gente torce por um dia encontrar um amor para vida toda. Daqueles que irão ficar, que já sabem ou querem aprender a amar. Porque todo mundo merece um amor desses, daqueles que nunca acabam, que ultrapassam o tempo e o espaço, e ainda na morte, ecoam na eternidade. Você sabe, existem amores assim. Não é sorte, são só pessoas que aprenderam que antes do amor, foi preciso – com muito esforço e vontade – aprender a amar.

Anúncios

26 comentários em “Porque perdemos grandes amores?”

  1. Você escreve realmente bem, parabéns!
    Eu concordo muito com você. Muitas vezes as pessoas não entendem porque o “amor” não deu certo. Mas foi o que você disse: paixão e afeto podem ser confundidos com amor, mas são coisas diferentes.
    Outra coisa que gostei muito foi o que você disse no logo no começo: que somos um jardim repleto de imperfeições e defeitos. Acho que ao reconhecermos isso poderemos, enfim, cultivá-lo, para que fique repleto de flores. ❤
    Bjs

    Curtir

  2. (Estou em lágrimas) muito lindo o seu texto, e tudo isso é verdade! Me parece que li as respostas para várias perguntas que já foram esquecidas pelo tempo, mas me lembrei agora.
    Achei muito romântico. Perfeito!
    SECESSO SEMPRE
    BEIJOOOS ❤

    Curtir

  3. Oie, tudo bem? Eu sou daquelas que acreditam que paixões terminam, mas amores não. Por mais que passe o tempo ele fica guardadinho lá no fundo do coração. Outras pessoas entram em nossas vidas, no entanto amores de verdade permanecem adormecidos. Nos machucando ou nos fazendo felizes, nós sempre o cultivamos. Gostei muito do seu texto. Beijos, Érika ^^

    Curtir

  4. Seu texto me fez lembrar de uma pessoa que eu amei muito. Amei, no passado. Eu fazia de tudo por ela sem ter retorno algum. Eu me entregava, me doava e minha recompensa era a indiferença… Mas eu não estava nem aí! Eu a amava e pra mim isso era suficiente.
    Nunca mais amarei ninguém dessa forma, nem essa pessoa.
    O tempo passou e a indiferença se tornou violência. Não física, mas sentimental. Me machuquei muito e segui em frente.
    Sabe aquelas idas e vindas da pessoa amada no exato momento que conseguimos esquecê-la? Aconteceu. Eu tentei dar uma chance e foi ali que percebi que aquele sentimento havia morrido em mim.
    A pessoa passou a ser tudo o que eu queria exatamente no momento em que eu não a queria mais.
    Ela não soube me amar e matou o amor que eu cuidava com tanto carinho.
    Eu cheguei ao ponto de dizer que o meu amor era suficiente para nós dois e que tudo o que ela tinha que fazer era não estragar isso. Meio deprimente, né? Autodestrutivo.
    Passaram-se anos e hoje me assusto com o quão indiferente essa pessoa é na minha vida.
    Consequências…

    Me chama de Bella

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s